Preparações para a Fé.

{64} (…) Que conheçamos ou não o nome do Salvador (…) todos reconhecemos em nós a presença de algo que não é um simples sentimento nem uma opinião qualquer, uma impressão ou ponto de vista, mas uma lei, uma voz imperativa que nos ordena a fazer certas coisas e a evitar outras. Não digo que estes mandamentos sejam sempre claros, nem que sejam sempre compatíveis uns com os outros; uma coisa é certa, porém, – e quero chamar sua atenção para este ponto – esta voz comanda, elogia, repreende, promete, ameaça, implica um futuro e dá testemunho do invisível. Ela é maior que o próprio eu. Nós não temos controle sobre ela, a não ser somente com extrema dificuldade; ela não é obra nossa, e nós não podemos destruí-la.

(Bem-aventurado Cardeal John Henry Newman c.o., no Sermão para a Festa do Apóstolo São Tomé, de 1856.)