O Mistério da oração de Jesus (2): Sentire cum Christo.

Tentemos lançar um olhar sobre o interior de Jesus. Ele é Deus, aquele que reza é Deus, “Eu e o Pai somos um” (Jo 10,30). Quando o apóstolo Filipe pede: “Senhor, mostra-nos o Pai”, Jesus responderá: “Filipe, como, depois de todo esse tempo que estou com vocês, você me ainda diz: Mostra-nos o Pai! Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14,9). Ele é o Filho Eterno, o Filho Único gerado Pai antes de todos os séculos (CIC 242), Deus como o Pai. A divindade do Pai é divindade de Deus que se dá, que se doa; a divindade do Filho é divindade de Deus que a recebe. O Pai não nada de particular que O distinga do Filho, senão o fato de comunicar todo Seu Ser, toda Sua divindade, ao Filho, que não tem nada de particular que O distinga do Pai, senão o fato de receber toda essa mesma divindade. Paternidade e filiação são nomes de relações, não nomes de essências. A mesma essência, a mesma natureza, a mesma substância é comum a um como doador, e ao outro como receptor.

(Cardeal Charles Journet (1891-1975), in “Entretiens sur la prière”, Ed. Parole et Silence, 2006, pág. 33-34. Grifos do autor. Tradução nossa.)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s